SOLIDARIEDADE EM FAMÍLIA




A família é um dos primeiros lugares onde as pessoas aprendem a lição da solidariedade que deverá unir os humanos. Num mundo de individualismo, competição e indiferença, a família será sempre um espaço de construção do tecido da solidariedade, plataforma onde as pessoas aprendem a viver com, a conviver. Sem atenção carinhosa e solidária o bebê que nasce não tem condições de sobreviver. Morre ou quanto muito vegeta. No seio da família, histórias se entrecruzam, vidas convivem umas com as outras, há proximidade física e afetiva.

Os membros de uma família experimentam um sentimento de pertença. Não são seres jogados a esmo. Uns pertencem aos outros. A menina que está ouvindo uma aula de matemática, pensa no afeto da avó que está para chegar. Ela pertence aos seus. O médico que faz uma cirurgia complicada não está solto. Logo que termina a operação telefona para a mulher para dizer que tudo correu bem, muito bem. Os dois ao telefone se dizem palavras de carinho. Uma vida que pertence a outra vida. Tal pertença não tem o mesmo caráter de se possuir uma bola, uma joia, um carro. São vidas que pertencem a outras vidas. Os que são solidários em família vivem perto, vivem juntos. Sentam-se juntos à mesa, juntos rezam ao Senhor solidariamente, juntos se ocupam das tarefas da casa: lavar a louça, molhar as plantas, preparar a comida, comprar o pão. Ninguém é empregado de ninguém. Todos se interessam por todos, na delicadeza dos gestos, na atenção recíproca, adivinhando aquilo que o outro precisa. A solidariedade, aqui e ali, quer dizer renúncia.

Há a solidariedade na hora da doença: fazer a tarefa do outro, dormir a seu lado no hospital, dar-lhe um banho, fazer-lhe um curativo, acompanhá-lo quando a febre aumenta. Solidariedade em família é demonstrar que o outro é importante. A senhora idosa, avó, que vai ao médico sabe que na sala de espera um filho, uma neta ou uma nora esperam por ela e cuidarão que não lhe falte o necessário para sobreviver dignamente.

Sim, os membros frágeis da família sabem que podem contar com o apoio de seus familiares: a criança com medo disto ou daquilo aperta-se contra o peito do pai; a mulher que soube da morte trágica de seu irmão num acidente, sabe que contará com a solidariedade do marido; a velha senhora sabe que seu filho haverá de pagar-lhe o plano de saúde ou que os netos virão para conversar e assim quebrar sua solidão.

A família é o primeiro espaço de solidariedade humana. É primeira escola de solidariedade. Por isso, a família precisa ser forte.

Frei Almir Guimarães
Compartilhe no Google Plus

About Ana Moraes

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários:

Postar um comentário